Vouzela,  13 de Dezembro de 2018 | Director: Lino Vinhal

Sociedade Musical Vouzelense prepara concerto de Natal

3 de Dezembro 2018

A Sociedade Musical Vouzelense (SMV) está a preparar, “com todo o afinco”, o Concerto de Natal que, como é tradição, vai oferecer à comunidade.

Tal como vem acontecendo nos últimos tempos, a aposta passa por apresentar um reportório alargado, que promete encantar os espectadores de todas as idades. “Vai ser um concerto temático, à volta da fantasia que povoa a época natalícia e das histórias infantis”, revelou ao nosso Jornal o maestro da SMV, Diogo Tavares, adiantando que, entre as obras a abordar, estão temas como “A Bela e o Monstro”, “A Rapunzel” ou “O Fantasma da Ópera”.

A segunda parte do espectáculo é dedicada aos temas de Natal.

“Temos procurado inovar e apostar na diversidade e num reportório que vá ao encontro dos gostos dos músicos, para que transmitam a paixão que sentem pela arte a quem ouve”, salienta Diogo Tavares, que faz parte da banda desde 2000, tendo assumido funções como maestro em 2016.

 

Grupo precisa de um novo fardamento

O concerto de Natal faz parte das actividades que a Sociedade Musical Vouzelense proporciona à comunidade, e que incluem ainda os espectáculos de São Frei Gil, das Festas do Castelo e do seu aniversário.

Como de habitual, a colectividade vai sair para as ruas da vila e das freguesias, cantando as Janeiras “para quem a quiser receber”. De acordo com o presidente da Direcção, Luís Paiva, que tomou posse em Março deste ano, esta será uma forma de a SMV conseguir realizar alguns projectos futuros. “Dentro das suas possibilidades, gostaríamos que nos ajudassem a concretizar a vontade de mudar o fardamento”, avança. A farda actual tem cerca de 15 anos e a aquisição de um novo representa um investimento de 18 mil euros.

Para 2019 está ainda previsto o início dos trabalhos para a requalificação da zona envolvente à sede, um edifício moderno mesmo às portas da Vila.

A banda tem 38 elementos, além dos que integram a escola de música (sete não fazem ainda parte dos executantes, e há outros que estão numa fase de aperfeiçoamento de conhecimentos) e é um exemplo que mistura experiência e jovialidade. Acácio Silva e Joaquim Tavares – que estão na banda há 60 e há 42 anos, respectivamente – são os músicos mais antigos.

No último ano, a SMV concretizou 35 actuações e está “disponível para continuar a levar o nome de Vouzela fora de Lafões, com actuações que farão as delícias de quem ouve”, assegura Luís Paiva, realçando que o grupo “é muito acarinhado pela população e pelo Município”.

 

Uma casa onde reina a harmonia

Por aqui tem passado muita gente mas, como todas as associações, a colectividade debate-se com algumas dificuldades, nomeadamente para conseguir chamar novos elementos ou mantê-los quando entram no ensino superior, pois passam a ter menos tempo para os ensaios e actuações. “A captação de jovens nem sempre é fácil, até porque há poucos e têm muitas solicitações”, lamenta Luís Paiva. Mas a SMV não fecha a porta a qualquer faixa etária e lança até o desafio a antigos executantes que queiram retomar a actividade.

Para o presidente da Direcção “sai e entra mais gente do que seria o ideal para manter um número de elementos constante, mas esta é uma casa arrumada” e onde reina a paz, a organização, a solidariedade e a dedicação.

“A harmonia, que é essencial para a música, também o é nas relações entre as pessoas e essa é uma das nossas maiores conquistas”, conclui o responsável.

 

Notas Soltas

*A formação tem sido uma grande preocupação. “A escola de música é a pedra angular da banda, pois sem músicos a associação não vive e não cumpre a sua função de fazer serviços, tocar e abrilhantar festividades”, realça o maestro Diogo Tavares.

*Em Fevereiro, altura em que se assinala mais um aniversário da SMV (o 147º), está definida a entrada de sete novos elementos provenientes da escola de música. “Pela primeira vez, o grupo é composto por muitos elementos de fora da vila, o que, por um lado, significa que estamos a abrir fronteiras, mas, por outro, pode ser mais complicado, no Inverno, por causa dos ensaios”, nota o dirigente.

*A SMV está a concluir a organização do seu arquivo. Do acervo, riquíssimo e com uma forte componente histórica, fazem parte obras para banda e pequenos livretes de ópera italiana.

Graças à oferta de mobiliário específico para o efeito, a colectividade está a catalogar e preservar os documentos.