Vouzela,  16 de Outubro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Nacional 16 vai fechar por tempo indeterminado

10 de Julho 2019

O troço da Estrada Nacional 16 entre a Volta Escura (Vouzela) e as Termas de São Pedro do Sul vai encerrar a partir desta sexta-feira (12 de Julho), sem que haja prazo previsto para a sua reabertura.

Pelo que o Notícias de Vouzela conseguiu apurar, em causa está o abatimento do piso que há mais de um ano se verificou à saída da vila de Vouzela e a melhoria da sinalização. Ou seja, trata-se de uma intervenção inserida no plano de conservação de estradas da Infraestruturas de Portugal IP e nada terá a ver com a requalificação que os dois concelhos têm vindo a reclamar.

Recorde-se que circula, inclusivamente, uma petição que pede a reestruturação da EN 16, naquele troço de 1700 metros, entre Vouzela e as Termas, que se encontra em avançado estado de degradação. Naquele percurso contam-se 13 curvas perigosas e um traçado sinuoso em que não é salvaguardada a segurança dos milhares de pessoas que diariamente utilizam aquela via.

Nas proximidades do abatimento já foi possível, ao longo do dia desta quarta-feira, ver maquinaria e trabalhadores que estarão a melhorar o pavimento mas a via é mesmo para fechar. E os condicionamentos deverão prolongar-se durante meses, uma vez que se segue agora a preparação do projecto, a aprovação do Tribunal de Contas, a posterior abertura de concurso e a realização da empreitada. Ou seja, antes do início do próximo ano não deverá ser possível circular naquele trajecto. Poderá, no entanto, ser feita uma excepção  para moradores.

A alternativa passará, seguindo de Vouzela, por um desvio em Calvos, através da EN228, seguindo pelo Cadaval até às Termas. A questão levanta, no entanto, algumas dificuldades, sobretudo para as viaturas pesadas, para a protecção civil e para os utentes que precisem de recorrer com urgência ao Hospital de São Pedro do Sul.

 

Verão é um período de grande afluência de pessoas

Questionado pelo nosso Jornal sobre a situação, o Presidente da Câmara de Vouzela mostrou-se “indignado” porque o corte vai abranger um “período crítico” para a região, em que “a população quase triplica, com a vinda de aquistas, turistas e emigrantes e com todo o impacto positivo que trazem para o comércio e para a indústria locais”.

Rui Ladeira tem sido uma das vozes a reclamar uma intervenção de fundo na EN16, ainda durante o anterior Governo, quando esteve reunido com o então secretário de Estado Sérgio Monteiro. Na altura, havia uma dotação de cerca de meio milhão de euros para a obra, embora o valor do investimento necessário fosse bastante superior. Já depois dos incêndios, o autarca tem aproveitado a vinda de governantes ao concelho para falar desta situação e de outras, como a EN228, em que a falta de segurança preocupa os automobilistas.

Na sua opinião, a EN 16 precisa de uma “vertente que conjugue segurança e turismo” e isso passa pela melhoria do traçado, pela iluminação pública, pela criação de passeios e pela introdução de áreas próprias para a circulação de bicicletas.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com